As Horas Planetárias: o relógio astrológico

Por Luís Ribeiro

Na Tradição Astrológica, cada dia da semana está consagrado a um planeta. Por seu turno, as horas do dia são também regidas pelos diversos planetas, que lhes conferem características específicas. Por exemplo, uma hora regida por Marte é propícia à acção e ao dinamismo, enquanto uma hora de Mercúrio é mais adequada à pesquisa e à comunicação.

Este sistema é muito antigo e não se conhecendo a sua origem exacta. Tradicionalmente, a sua criação é atribuída aos Caldeus.

As horas planetárias são calculadas tendo como referência o nascer e o pôr-do-sol. O arco diurno (do nascer ao pôr-do-sol) e o arco nocturno (do pôr ao nascer do sol) são divididos em 12 “horas” de igual duração. Perfazem assim as 24 horas – 12 diurnas e 12 nocturnas.
A regência das horas segue uma sequência fixa: Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vénus, Mercúrio e Lua. Esta sequência é denominada a Ordem Descendente ou Ordem Caldeia e têm a sua origem na sequência das esferas planetárias, segundo conceito aristotélico do Universo.

A primeira hora de cada dia, que se inicia ao nascer do Sol, determina o planeta que rege o dia todo. Assim, cada dia da semana está associado a um planeta: Domingo ao Sol, 2ª feira à Lua, 3ª a Marte, 4ª a Mercúrio, 5ª a Júpiter, 6ª a Vénus e Sábado a Saturno. Assim, primeira hora de Domingo é sempre regida pelo Sol, a primeira de 2ª feira pela Lua, etc.
Em várias línguas os nomes dos dias da semana evocam os planetas que os regem. Vejamos por exemplo a 2ª feira, regida pela Lua:

Monday em Inglês – literalmente Dia da Lua: Moon (Lua) Day (dia)
Lundi em Francês – também: dia da Lua
Lunes em Espanhol – o mesmo significado

Das línguas latinas, o Português (infelizmente) é uma excepção.

Dentro desta sequência maior dos dias, encontramos a ordem das horas planetárias.

Para calcular a sequência de planetas para as horas de Domingo, basta seguir a sequência caldeia. Assim, as 12 horas diurnas de Domingo são: 1ª - Sol, 2ª - Vénus, 3ª - Mercúrio, 4ª - Lua, 5ª - Saturno, 6ª - Júpiter, 7ª - Marte (a partir daqui repete-se a sequência) 8ª - Sol, 9ª - Vénus, 10ª - Mercúrio, 11ª - Lua e 12ª - Saturno. Continuando a sequência obteríamos as 12 horas nocturnas.

A sequência prossegue de forma ininterrupta originando os vários dias da semana. Podemos representar a sequência total de horas planetárias através de uma espiral que se repete todas as semanas - ver figura.

Dia versus Noite

A Astrologia Tradicional diferencia o efeito de um planeta que “age” durante o dia, do efeito do mesmo planeta durante a noite.
Assim como o regente do dia é o planeta que rege a primeira hora planetária, o regente da noite é o planeta que rege a primeira hora nocturna.

Por exemplo, o dia de Sábado é regido por Saturno, mas a noite é regida por Mercúrio (regente da 13ª hora, ou seja, a 1ª hora nocturna). Da mesma forma, a madrugada de Sábado, dia de Saturno, não é regida por Saturno, pois este planeta só assume a regência ao nascer do Sol.

Qual a utilização prática?

O uso do sistema de horas planetárias perdeu--se, excepto nas correntes mais tradicionais da Astrologia Natal. No entanto, é largamente utilizado em Astrologia Electiva e em Astrologia Horária.
Na Electiva, é importante que o planeta regente da hora esteja dignificado e em boa relação com o Ascendente. Em Horária serve, por exemplo, para confirmar a validade e importância da pergunta.

Para compreender cada hora, devemos combinar o significado do planeta regente do dia com o do regente da hora. O regente do dia dá o tom geral, enquanto o da hora põe em acção naquele período específico.

Eis os significados resumidos de cada hora planetária, segundo a Tradição:

Saturno – Reflexão profunda, estruturação de ideias e execução de tarefas que requerem paciência e disciplina. Pode ser depressiva.

Júpiter – Adequada para qualquer tipo de tarefa. Ideal para a expansão de horizontes e para inspiração. É necessário ter cuidado com exageros.

Marte – Acção, conquistas, inícios. Tarefas assertivas e competitivas. É necessário ter cuidado com lutas e desentendimentos.

Sol – Actividades energéticas ou relacionadas com liderança. Há que ter cuidado com o orgulho.

Vénus – Harmonia, beleza. Ideal para o prazer, para os contactos sociais e relacionamentos. Cuidado com os pequenos excessos.

Mercúrio – Comunicação, envio de documentos e assinaturas, renovação de documentos. É uma boa hora para actividades de estudo, ensino em aprendizagem em geral. Cuidado com as indiscrições, a má-língua e as mentiras.

Lua – Ideal para tarefas mundanas (limpezas, compras, higiene). Uma boa hora para rever sentimentos e emoções. Cuidado com a sensibilidade, pois as coisas tendem a estar mais instáveis em horas lunares.

Exemplos: num dia de Vénus, associado ao prazer e ao conforto, uma hora de Júpiter pode ser indicada para relaxar e viver situações agradáveis. No entanto, é também preciso ter cuidado com os excessos. Num dia da Lua, onde se vive uma sensibilidade geral, uma hora de Marte pode desencadear desentendimentos e susceptibilidades. No entanto, pode ser uma boa altura para apelar à dedicação a uma causa.

Longe de ser uma relíquia do passado, este sistema de qualificação do tempo é bastante útil em questões práticas.
Escolher uma boa hora para iniciar uma acção pode ser fundamental para o sucesso de iniciativas e projectos.

Hora Oficial / Hora Planetária

Os dias e horas planetárias não coincidem com os oficiais. O calendário astrológico tem como base os movimentos naturais, enquanto o oficial é baseado no tempo-padrão.

As horas planetárias são solares (medidas pelo nascer e pôr-do-sol), pelo que a sua duração varia ao longo do ano. O dia astrológico só começa ao nascer do Sol, enquanto o do calendário oficial começa às 00h00

 


Nenhum artigo, tabela ou texto pode ser reproduzido sem autorização expressa do(s) autor(es)

© Copyright 2011, Helena Avelar e Luís Ribeiro