O Estado da Nação
o novo ano astrológico

Por Luís Ribeiro

Numa perspectiva astrológica o ano inicia-se com o ingresso do Sol no signo de Carneiro que ocorre este ano a 20 de Março. Este momento é também a entrada na estação da Primavera, um momento de renascer e despertar.
O estudo deste e de outros ingressos, associado a outras técnicas da Astrologia Mundana, oferece um panorama geral da dinâmica desses doze meses.

Uma visão geral

O actual panorama português é em grande parte simbolizado pelo movimento de Júpiter e Saturno, os dois planetas mais significativos na análise de ciclos mundanos.
Júpiter transita pelo signo de Virgem e Saturno pelo de Caranguejo, encontrando-se portanto em posições de detrimento.
Para Portugal estas passagens são de grande impacto, pois estes planetas regem os signos tradicionalmente atribuídos ao território português: Peixes, regido por Júpiter e Capricórnio, regido por Saturno.

O estudo das anteriores passagens de Saturno pelo signo de Caranguejo revela-nos que estas correspondem a épocas de crise económica e governamental. No presente momento observamos vários sintomas dessa crise: recessão económica generalizada, grande descontentamento em relação à política governamental e o emergir de todo o tipo de corrupções e “podres” nas estruturas sociais.

Esta situação será ainda reforçada pela conjunção Marte-Saturno em Caranguejo, que ocorrerá a 25 de Maio. Trata-se de uma conjunção particularmente significativa, pois os dois planetas estão debilitados neste signo (Saturno em exílio e Marte em queda). Esta configuração ocorre uma vez a cada 30 anos e indica momentos importantes de viragem política. Note-se que a última vez que este evento ocorreu tivemos em Portugal a revolução de 25 de Abril 1974.

Quando relacionamos este evento com os mapas políticos mais significativos do nosso país – a batalha de S. Mamede, a Implantação da República, a Revolução do 25 de Abril e o mapa simbólico – encontramos pontos de contacto muito importantes. Com efeito, esta conjunção ocorrerá no décimo primeiro grau de Caranguejo, ficando portanto conjunta ao MC do mapa de S. Mamede, em quadratura ao Sol do mapa da Implantação da República, em quadratura ao MC da Revolução do 25 de Abril e ainda conjunta ao Ascendente do mapa simbólico. Ou seja, activa pontos-chave dos diversos horóscopos significativos de Portugal, indicando mudanças importantes no panorama político da nossa nação.

Por outro lado Júpiter, o planeta da expansão e do optimismo, está igualmente enfraquecido, tornando o panorama bastante desanimador. No entanto, a partir de Setembro Júpiter transita para o signo de Balança, deixando a situação de detrimento e ganhando um impacto mais positivo para Portugal.

O Ano de 2004 para Portugal

Como podemos ver no mapa do ingresso do Sol em Carneiro (acima representado), o ano astrológico de 2004 é regido pelo Sol com co-participação de Marte, sugerindo um ano com alguma agitação e energia.
No entanto, Marte encontra-se debilitado na maior parte dos mapas dos ingressos indicando a continuação das dificuldades e restrições que experimentámos em 2003.

Também contribui para este cenário a frequente presença de Saturno nos ângulos dos referidos mapas. Note-se que no mapa do ingresso de Carneiro de 2004 (20 de Março) Saturno está na Casa IV em Caranguejo, signo do seu exílio – uma configuração que promete alguns impedimentos para o território português.

Por ser o regente do Meio-do-Céu no mapa deste ingresso, Saturno representa também o governo. A sua debilidade simboliza a continuação do descontentamento geral da população perante os actuais governantes. Esta tensão é particularmente notória pois Saturno faz quadratura ao Sol e ao Ascendente. Note-se também que o último segmento do ano astrológico (Dezembro 2004 e os primeiros meses de 2005) indica um enfoque especial na governação, visto no mapa do ingresso de Capricórnio (21 de Dezembro) o Sol estar conjunto ao MC.

Recuando um pouco no tempo, podemos ver que o mapa do ingresso de Caranguejo (21 de Junho) temos a Lua em Leão na Casa V, casa dos divertimentos. Que melhor posição para significar o Euro 2004? Nesta fase o país estará sem dúvida com uma moral mais elevada.

Em termos económicos o segundo trimestre de 2004 (finais de Março a finais de Junho) parece prometedor, devido a especulação e, muito provavelmente, por causa de investimentos externos. Contudo, nem todas as expectativas se cumprirão, sendo até de esperar um certo nível de retrocesso no trimestre seguinte. É significativo que no mapa do ingresso de Caranguejo o planeta Vénus, regente da Casa II (Economia) esteja enfraquecido e retrógrado, o que pode indicar um retrocesso na especulação económica.
Esta nota é reforçada pela quadratura a Júpiter em detrimento e cadente. Contudo, o sextil da Lua a Vénus é indicador de que os “divertimentos” poderão (pelo menos em certa medida) auxiliar a Economia.

As condições económicas só parecem começar a estabilizar no final do ano. Com efeito, no mapa do ingresso de Capricórnio vemos a Lua no signo da sua exaltação (Touro) e conjunta ao Nodo Norte, na Casa II. A este panorama podemos acrescentar o posicionamento de Marte, co-regente do ano que se encontra numa posição mais forte a partir de Dezembro de 2004.

Esta configuração é o prelúdio de uma fase de recuperação que virá a atingir maior expressão em 2005.
Há fortes indicações astrológicas de que a Primavera do próximo ano será mais promissora do que a actual conjuntura.




Nenhum artigo, tabela ou texto pode ser reproduzido sem autorização expressa do(s) autor(es)

© Copyright 2011, Helena Avelar e Luís Ribeiro